terça-feira, 11 de outubro de 2016

IN MEMORIAN: Saudade é uma palavra que só vale pra quem já viveu um luto. Meu tributo a Gerson Luiz Klafke

A palavra "saudade" é proveniente do latim (solitate). E por isso muitos associavam a palavra a solidão. Existe o mito de que esta palavra só existe no português e no dialeto gallego, e não poderia ser traduzida da mesma forma nos outros idiomas, pois no espanhol (soledad), no italiano (solitudine), ou no francês (solitude), nenhuma delas teria o mesmo sentido de quem sente um sentimento que não reúne apenas dor, isolamento, solidão, mas sim envolve uma gama muito mais rica de sensações.

Posso ter saudade para chorar, mas também para sorrir, ao recordar de belas lembranças. E nesse sentido, a palavra saudade também pode significar "salvar" ou salvação", pois também deriva do vocábulo salute. Tendo este ou aquele significado, o que sabemos em bom português é que só se tem saudade de alguém que está longe, que partiu, e que o pior, sente-se saudade daquele que partiu e não vai voltar (ao menos não cedo). Entretanto, não se tem apenas saudade de alguém, mas também saudades de momentos, de eventos passados, o que faz surgir a palavra "saudosismo", que tem relação com nostalgia (em espanhol, añoranza). Quando temos saudade, temos saudades de amigos ou amores que partiram, mas também de lugares que conhecemos no passado, e que gostaríamos de retornar. É de um desses lugares e uma dessas pessoas que eu gostaria de falar nessa postagem: da cidade de Rio Pardo no Rio Grande do Sul, e de meu grande amigo e sogro, Gerson Luiz Klafke.

Gerson era bombeiro, salva-vidas, e, principalmente, um sujeito ativo e desenrolado, que gostava de esportes, pescaria, fazer churrascos e adorava ver o seu time jogar, o Internacional. Para quem já leu este blog nos últimos anos, escrevi sobre um bocado de coisas e um bocado de gente, e fiz o obituário de muita gente famosa, de quem eu gostava pelo talento. Entretanto, nunca, mas verdadeiramente nunca, eu poderia imaginar estar, numa tarde de segunda-feira, escrevendo o obituário de meu próprio sogro. Gerson morreu numa sexta-feira, dia 7 de outubro de 2016, no comecinho da tarde, no seu local de trabalho, quando estava trabalhando em uma base do Corpo de Bombeiros da cidade de Rio Pardo, onde morava. Por um acidente trivial, se não fosse trágico, Gerson perdeu a vida aos 49 anos. O noticiário da cidade disse que ele tinha caído do caminhão e batido violentamente com a cabeça na queda, o que produziu um traumatismo craniano que lhe foi fatal. Assim se foi uma vida, naquilo que muitos dizem terem sido "o dia" dele. Independente da fé ou da espiritualidade das pessoas, não acredito em casuísmos, mas acredito em destino, e, para minha infelicidade enquanto genro, calhou de Gerson falecer perto de se aposentar, e num dos momentos mais felizes de sua vida.

Faleceu não apenas o sogro de Fernando, ou o pai de Stella e Alicia, o marido de Cecília, o filho de Dona Traudi, ou o avô do meu pequeno filho Miguel. Faleceu o meu amigo! Se eu fosse contar para meu filho a história de seu avô materno, como quem conta a história de um grande amigo que se foi, eu diria a ele que, assim que aprendesse a ler, lesse este blog, e visse todo um singelo relato que devo fazer como tributo, a um dos mais queridos, respeitáveis e amados amigos que tive nesses últimos anos.

Ainda me lembro da primeira vez que dei de cara com o Gerson, na rodoviária de Rio Pardo. Não fazia nem seis meses e eu havia noivado com  a filha do cara, num relacionamento que parecia um namorico relâmpago de um professor com uma ex-aluna, e que acabou gerando um casamento duradouro e um filho. Era o ano de 2010, e eu estava entre ansioso e preocupado em conhecer os pais da minha noiva, já que eu incrivelmente havia noivado com a garota sem que os pais dela sequer me conhecessem. Eu já havia retornado ao Nordeste, após uma estada de 3 anos no Rio Grande do Sul, fazendo meu doutorado, e eu não tinha a menor ideia se os pais (principalmente o pai) da noiva iam gostar de mim. Lembro-me de descer do ônibus vindo de Porto Alegre, da viação Santa Cruz, na rodoviária de Rio Pardo, e me esperava aquele cara bem alto, branco, atlético, parecendo um veterano jogador de futebol da seleção da Alemanha, com seu cabelo curto e grisalho, mas um óculos que lhe davam certo ar professoral. Pude perceber que o pai da noiva estava mais encabulado que eu, o próprio noivo, mas bastou um aperto de mão, e um sorriso, para meia hora depois estarmos almoçando alegremente, eu contando meus casos de ex-advogado que virou policial e desejava se tornar professor universitário, e os planos que tinha junto com minha noiva Stellinha, os preparativos do casamento e as expectativas pela lua de mel, que se avizinhava no final do ano. Com sua hospitalidade de gaúcho do interior, Gerson e sua esposa Cecília, minha futura sogra, me deixaram totalmente desarmado de espírito, animado e bem à vontade naquela casa que viria a ser meu porto seguro em Rio Pardo nos seis anos seguintes, entre goles de cerveja, churrascos comidos à exaustão, rodadas de chimarrão, filmes na TV e altos papos, que iam desde o futebol até a política. Como ele era somente 4 anos mais velho do que eu, pude perceber que fazer parte da mesma geração envolvia praticamente gostos semelhantes por muitas coisas, principalmente pelo hard rock dos anos setenta e oitenta, e um gosto especial por bandas como Scorpions, Iron Maiden e Rush.

Pude saber um pouco da história daquele casal, e descobrir que Gérson e Cecília conheceram-se nos brilhosos anos oitenta, numa Rio Pardo em que os jovens confraternizavam-se fazendo festas na casa de um e de outro. Ele e sua futura esposa conheceram-se em uma dessas festas, e logo, dois jovens bonitos, enamorados, formaram um dos daqueles jovens casais, numa cidade do interior do Rio Grande do Sul, que, casados, tiveram que assumir desde cedo a responsabilidade de constituir uma família, buscar empregos sólidos no serviço público e sustentar a primeira das duas filhas que nasceram, que viria a se tornar a minha esposa. Foi aí que descobri outra das grandes paixões de Gerson: o Corpo de Bombeiros.

Gerson não era só bombeiro por profissão, necessidade, ou vocação, Gerson era bombeiro por AMOR! Eu já tinha certa admiração por esses profissionais de combate ao fogo; mas depois que conheci o Gerson essa admiração pelos bombeiros passou de admiração para idolatria. Ele me presenteava com souvenirs que lembravam a profissão, como um chapéu estiloso, uma camiseta e até ganhei dele de presente uma sunga de banho que ele utilizava, que uso até hoje, com o logotipo da corporação. Quando viajei a Paris, num Congresso da universidade, cheguei até a comprar um livro com a história do Corpo de Bombeiros da França, com imagens dos primeiros uniformes, carros e caminhões que o grupamento utilizava desde o século XIX. Lembro até hoje, das muitas visitas que Gerson me fazia em Natal, quando ele e Cecília conheceram minha amiga Neide e seu esposo Leif, um norueguês que trabalha na Marinha Mercante, que viriam a ser os novos amigos do casal e padrinhos do meu filho Miguel. Num memorável churrasco, à beira da piscina da casa de meus compadres, Leif apresentou ao Gerson um sujeito chamado Lawrence, britânico, que trabalhava no Corpo de Bombeiros da Inglaterra. No meu inglês trôpego, depois de doses cavalares de cerveja e whisky, servi como intérprete na conversa entre os dois e notei como os olhos do Gerson brilhavam ao conhecer seu colega de profissão estrangeiro, perguntando como era a forma de trabalho dos bombeiros da Terra da Rainha. Era com alegria que Gerson abria o celular, e mostrava fotos de seu trabalho, do quartel e de seus colegas de profissão em Rio Pardo, entusiasmado para que o bombeiro britânico conhecesse os bombeiros do Rio Grande do Sul. Gerson trabalhava também como salva-vidas, e por 20 anos trabalhou na Operação Golfilho, nas praias dos tórridos verões gaúchos. Como um protagonista do seriado Baywatch, eu via as fotos nos jornais do trabalho daquele cara atlético, todo bonitão, compenetrado em evitar que os banhistas se afogassem, e me deparei com um lado criança que ainda permanecia latente no meu corpo adulto: havia descoberto um novo herói!

Eu, pelo meu lado, funcionário público graduado e candidato a intelectual com doutorado, nunca me senti aumentado ou diminuído na presença do Gerson. Não me interessava ao lado do meu sogro aquelas conversas complexas, rebuscadas da universidade, e nem eu e nem ele parecíamos aqueles sujeitos materialistas ou gabolas, falando de posses ou contando vantagem do que quer que seja. Nos seis anos que conheci o Gerson, nunca vi, um minuto sequer, ele se vangloriar das vidas que salvou nas praias gaúchas, das pessoas que socorreu no interior do estado, vítimas de ciclones ou inundações, ou até de cavalos que ajudou a puxar de algum rio ou pasto. Gerson era um homem discreto, e além disso tinha uma profunda humildade e um senso de responsabilidade no que fazia, encarando todo salvamento que realizava como um dever, a obrigação do bombeiro que apenas realiza o seu trabalho. Ele me falava das lutas da categoria, perguntava como era a independência funcional dos bombeiros no Rio Grande do Norte e acessava na internet os sites das associações de bombeiros de outros estados, preocupado com a valorização profissional e salarial de servidores do Estado, muitas vezes mal reconhecidos e mal remunerados, não obstante a mais nobre das funções que realizam na sociedade, que é a da proteger pessoas e bens.

Como bombeiro, sem saber, Gerson fazia que eu me lembrasse dele sempre que assistia o clipe da banda de rock Foo Fighters, na canção My Hero, em que o personagem, sozinho, salva várias pessoas do incêndio num prédio, sem que num minuto sequer apareça seu rosto. Gerson representava esses heróis sem rosto, que por debaixo de um macacão do Corpo de Bombeiros, em todo país, não são um nome, mas sim um caminhão, uma sirene e um uniforme. Foi justamente vendo um cortejo desses caminhões, num vídeo repassado na internet, no funeral dele, que vi o quanto os bombeiros devem e deveriam ser mais valorizados pelo Estado, mas como, no imaginário coletivo, ainda são vistos como heróis pela sociedade. Apesar de triste, foi uma cena extremamente bonita ver aquele cortejo de viaturas com as sirenes ligadas levando o féretro do meu amigo, percorrendo a pequena Rio Pardo que parou para ver, pela última vez, um de seus heróis,  até seu último repouso no cemitério da cidade.

Nesses últimos anos, enquanto viveu, pude alternar visitas a casa de Gerson e Cecília e eles a minha e de minha esposa. Como sogros queridos, eles agora eram meus parentes e eu o deles, e me acostumei, todos os anos, a tê-los na minha casa, assim como eu sabia que sempre havia um quarto separado para mim e Stella, na singela casinha que Gerson havia contribuído para construir com seus meios próprios. Percebi, ao conhecer meus sogros, que eles não viajavam muito, e percebi o encantamento de Gerson quando ele e sua esposa conheceram o Nordeste pela primeira vez, visitando Natal. Além de Natal, tive a oportunidade de levá-los até Recife, e fiz com eles uma inesquecível turnê por Olinda, no seu centro histórico, onde ficamos hospedados. Guardo na lembrança, coração e fotos aqueles momentos. Notei que, como gostava de praia, Gerson ficou gamado com Natal, e mais ainda, quando os levei até a Praia de Pipa, Gerson ficou totalmente deslumbrado com a beleza e a animação do lugar. Ele me confidenciou nas idas e vindas a Natal que pretendia comprar um terreninho em Natal e queria vir pro RN assim que se aposentasse. Eu perguntava a ele, homem ainda jovem, com boa saúde disposição, no que ele poderia trabalhar, e com um sorriso ele me respondia:"qualquer coisa". Sendo um sujeito ativo e multitarefas como ele era, meu sogro tinha até curso de pilotagem de barco, e não duvido nada que, morando em Natal, ele se tornasse um piloto de barco ou um alegre motorista de buggy, curtindo sua vida de bombeiro aposentado. Pena que Deus teve um plano diferente para ele!!

Vivi momentos grandiosos de alegria e comemoração, extremamente especiais, ao lado de um guerreiro, que se tornou meu sogro. São imagens que não me sairão da memória e ficam registradas eternamente aqui, tal como o dia de meu casamento, quando minha esposa, a noiva, linda, seguia em direção ao altar, acompanhada de seu sorridente pai. Lembro-me daquele sorriso tímido, característico dele, quando Gerson me entregou a noiva e somente disse ao me abraçar: "então tá, Fernando!". Lembro também do dia que levei Stella, grávida, até o médico para sabermos qual seria o sexo do bebê, na ultrasonografia, e recordo do meu entusiasmo e da risada de Stella, quando o médico disse que era menino, e eu me apressei para ligar para minha mãe, informando que iria nascer um garoto, e depois liguei pro Gerson, gritando como um louco no hospital: "É homem!É homem!". Pude escutar aquela risada curta e serena dele no outro lado da linha, e sabia que, como pai extremamente realizado, também estava compartilhando ali, num momento único, a alegria de um novo membro da família que estava chegando, com um avô igualmente realizado.

São tantos e muitos os momentos felizes que eu passaria dias escrevendo ou falando como eu amava meu amigo e sogro Gerson Klafke. E tenho a total certeza de que deve haver uma centena de pessoas, entre parentes e amigos que deve fazer a mesma coisa. Se Gerson tinha defeitos? Claro, óbvio, pois isso todos  tem! Em sua simplicidade, o Gerson incorporava o que há de melhor nas pessoas, sendo ele mesmo, com suas virtudes e fraquezas; pois, afinal, você é especial não porque você quer ser especial, mas sim porque se torna especial sendo simplesmente você mesmo. Ele não se tornou especial para mim só porque era bombeiro, um herói salva-vidas, um bom atleta e esportista, ou um torcedor do Internacional que tomava tanta cerveja quanto eu. Gerson era especial porque era meu amigo, e a saudade eterna que vou sentir dele está associada aquele sentimento que falei no começo desse texto, que só tem quem sente a falta de alguém, mas também de algo, pois Gerson simboliza para mim épocas e lugares. Posso até me atrever um exercício de imaginação e pensar o que diria o Gerson na minha frente, ao ver um cortejo tão bonito em seu funeral. Talvez ele dissesse: "Bah, tchê! Mas tudo isso pra mim?!". A imagem que vou congelar em meu cérebro por toda a vida e repassar ao meu filho é que o avô dele era um cara tão especial, justamente por ser esse pessoa tão simples, de uma Rio Pardo simples e povo hospitaleiro, que aprendi a amar.

Creio que o Gerson se foi dessa vida realizado, com sua esposa querida, as filhas criadas, feliz com seu neto e louco para retornar às praias potiguares, para pegar umas ondas ou correr ao redor da via costeira. Ele faleceu no lugar e na função que gostava, acompanhado de seus colegas de profissão que, pelo que soube, o amavam ou admiravam da mesma forma que seus amigos e familiares. Infelizmente, o caminhão dos bombeiros que ele dirigia por mais de vinte anos, acabou contribuindo, como um destino divino, para que sua morte ocorresse e assim ele pudesse passar para o lado dos anjos, onde outros heróis celestiais estão a nos proteger o tempo todo. Fica registrada minha homenagem e um tributo para meu filho, Miguel, e meus descendentes, para que saibam que carregam no sangue o legado de uma extraordinária pessoa que existiu, em 49 anos bem vividos. Meu abraço e beijo  todo especial a minha sogra, Cecília, leitora de meus textos e assim como suas filhas, uma linda e singela boneca, que perdeu seu amado esposo e companheiro! Meu carinho todo especial a minha querida Vó Traudi, seu esposo e também muito querido Caloca! Meu abraço forte a minha cunhada, Alícia, que praticamente vi crescer e que, com certeza, já está se tornando uma mulher honrada e grande companheira como foi seu pai para sua mãe! Repasso minhas lágrimas e meu abraço enlutado a todos os irmãos: Cesár, Geraldo, Mano, Cesinha, Fabiane e Eduardo!! Aos cunhados Moisés, Ronaldo, Teca e Eraldo. Aos sogros Romualdo e Romilda! Peço que me perdoem se esqueci de mencionar alguém aqui!! E, finalmente, escrevo estas palavras para minha esposa Stella, dizendo o quanto a amo, e o quanto estou sofrendo, reiterando o que lhe disse no dia de nosso casamento, de que, nesse momento de sofrimento, o que quero é continuar lhe amando tão intensamente quanto lhe amei desde o dia que decidimos ficar juntos e fazer nossa família. Peço a ela perdão em todos os momentos em que não fui, poderia ter sido ou não serei um marido tão 100% quanto foi o Gerson para a mãe dela; mas, saibam que, é por meio da escrita, que tenho uma forma de extravasar uma tristeza tão grande que sinto no peito, que só será vencida pela alegria, de me lembrar a todo momento que meu amigo Gerson existiu, e que uma amizade bonita e notável ainda vai ser cantada e escutada por muitas e muitas gerações.

Como eu havia dito no começo, saudade também vem da palavra "salvação". Creio que, como salva-vidas, Gerson veio para o mundo para se tornar um desses salvadores, e, nessa condição, Deus o chamou para salvar mais almas lá no céu. E o que eu teria pra  dizer a ele, nesse momento é: "VÁ EM PAZ MEU AMIGO, E CONTINUE A NOS SALVAR JUNTO COM SEUS COMPANHEIROS ANJOS, POIS UM DIA NOS REENCONTRAREMOS DE NOVO, NUMA GRANDE FESTA". Agora, ao menos eu sei o que é saudade, e saudade chama-se GERSON LUIZ KLAFKE!!


4 comentários:

  1. Parabéns pelo texto Fernando, conseguiu descrever o ser humano maravilhoso que o meu irmão foi, fiquei muito emocionado ao ler, um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele foi e continuará sendo maravilhoso em nossas vidas, e espero rever a todos vocês em breve, em Rio Pardo, para dar aquele carinhoso e emocionado abraço!! Até breve, meu amigo!

      Excluir
  2. Realmente, meu cunhado, concordo plenamente com cada palavra. O meu pai era tudo isso, extraordinário. Mereceu um cortejo tão especial e o tanto de carinho que recebeu das pessoas. Me sinto profundamente agradecida pela sua publicação e pela coragem de expressar sentimentos tão profundos para confortar-nos. Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Realmente, meu cunhado, concordo plenamente com cada palavra. O meu pai era tudo isso, extraordinário. Mereceu um cortejo tão especial e o tanto de carinho que recebeu das pessoas. Me sinto profundamente agradecida pela sua publicação e pela coragem de expressar sentimentos tão profundos para confortar-nos. Abraço!

    ResponderExcluir

Coloque aqui seu comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Gates e Jobs

Gates e Jobs
Os dois top guns da informática num papo para o cafézinho

GAZA

GAZA
Até quando teremos que ver isso?
Ocorreu um erro neste gadget